Voos para o Brasil – Quais são as companhias aéreas que voam em meio à pandemia da COVID-19

Maioria das empresas aéreas cortou rotas internacionais para o Brasil devido ao coronavírus e fechamento de fronteiras. Porém, algumas ainda têm voos programados.

Várias companhias aéreas cortaram voos internacionais para o Brasil devido à pandemia de coronavírus e às restrições de viagens impostas por diversos países. Porém, algumas empresas continuam operando ligações entre cidades no exterior e São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza e Recife.

As poucas rotas internacionais ainda em atividade estão sendo usadas por brasileiros que estão no exterior para voltar ao Brasil. O Itamaraty informou em nota que está buscando todas as opções para repatriar os nacionais residentes no Brasil que encontraram problemas com seus voos de retorno ao país.

O Ministério das Relações Exteriores informa ainda que, caso seja possível o retorno ao Brasil por voo comercial, “essa opção deve ser sempre considerada tendo em vista que outras opções de repatriação podem ser inviáveis ou demoradas em alguns lugares”.

“A opção de voos fretados está sendo considerada para regiões em que se verificou total interrupção do tráfego aéreo e outras possibilidades de repatriação não são viáveis”, diz a nota enviada à DW Brasil. “São voos pagos pelo governo brasileiro e que dependem de negociação específica com governos estrangeiros, não apenas na origem do voo, mas, em diversas ocasiões, com eventuais escalas.”

Veja a lista:

Veja abaixo a situação das principais empresas aéreas que operam no Brasil. O texto será atualizado constantemente com as mudanças que ocorrerem nas malhas das companhias:

Azul:

A empresa brasileira opera de Campinas para Fort Lauderdale (quatro vezes por semana) e para Lisboa (duas vezes por semana).

GOL:

A companhia aérea brasileira pretende retomar os voos internacionais progressivamente a partir de setembro, começando com as rotas de São Paulo para Assunção (Paraguai), Buenos Aires (Argentina), Lima (Peru), Montevidéu (Uruguai), Santa Cruz de la Sierra (Bolívia) e Santiago (Chile); e do Rio de Janeiro para Buenos Aires, Córdoba e Rosário, todos na Argentina.

A GOL ressalta que o retorno depende das restrições de viagem impostas pelas autoridades dos países nos quais a companhia opera na América do Sul, Central e no Caribe, além de recomendações das autoridades dos EUA.

Latam:

A empresa aérea brasileira opera de forma reduzida as rotas de São Paulo para Frankfurt, Londres, Madri, Miami e Santiago. Em julho serão adicionados quatro novos destinos: Ilhas Malvinas (a partir de 1º de julho), Lisboa (17 de julho), Cidade do México (15 de julho) e Montevidéu (14 de julho).

Aerolíneas Argentinas:

No final de abril, o governo da Argentina suspendeu todos os voos comerciais, tanto nacionais quanto internacionais, até 1º de setembro devido à pandemia. Somente os voos especiais de repatriação ou de carga podem circular no país durante o período. Por isso, a empresa retoma seus voos a partir do início de setembro.

Aeromexico:

A empresa mexicana retomará seus voos regulares entre Cidade do México e São Paulo a partir de 06 de julho (duas frequências semanais).

Air Canada:

A companhia canadense retoma os voos diários entre Toronto e São Paulo a partir de 1º de agosto.

Air China:

A companhia chinesa, que faz a rota São Paulo-Madri-Pequim, suspendeu suas operações nesta rota até 30 de agosto. Ela afirma ainda que a retomada das operações dependerá da prevenção e controle da covid-19.

Air Europa:

A companhia espanhola retomará seus voos de Madri para São Paulo no dia 15 de julho (uma frequência semanal). A partir de agosto serão 2 frequências semanais; a partir de setembro, cinco frequências semanais; e diário a partir de 1º de novembro. Não há previsão ainda para os voos diretos de Madri para Salvador, Fortaleza e Recife.

Air France:

A companhia francesa opera cinco vezes por semana entre Paris e São Paulo; e três vezes por semana entre a capital francesa e o Rio de Janeiro. Ela pretende retomar as operações entre Paris e Fortaleza a partir de 14 de outubro (três vezes por semana).

Alitalia:

O sistema de reservas da companhia aérea italiana indica que os voos de Roma para São Paulo e Rio de Janeiro serão retomados a partir de 1º de setembro.

Amaszonas:

A empresa aérea boliviana retoma a rota entre Santa Cruz de la Sierra e São Paulo a partir de 1º de setembro. No sistema de reservas da companhia não é indicada a retomada dos trajetos de Rio de Janeiro e Foz do Iguaçu para Santa Cruz de la Sierra.

American Airlines:

A companhia americana retoma a partir de 6 de agosto a rota de Miami para São Paulo. Os trajetos de Miami para o Rio de Janeiro; de Nova York para São Paulo; e de Dallas para São Paulo voltarão a partir de dezembro.

Já os voos entre Nova York e Rio de Janeiro serão retomados no verão brasileiro de 2021. A companhia decidiu encerrar definitivamente suas operações entre Los Angeles e São Paulo, além da rota entre Miami e Brasília.

Avianca:

A companhia aérea colombiana afirmou que os voos de Bogotá para o Brasil devem ser retomados a partir de 1º de setembro. Não há ainda previsão para o retorno das operações regulares de Lima para São Paulo e Rio de Janeiro.

Avior:

A empresa venezuelana, que opera a rota entre Manaus e Caracas, suspendeu todos os voos nacionais e internacionais até 12 de maio. O sistema de reservas da companhia ainda não indica a retomada da rota.

Boliviana de Aviación:

A empresa retoma os voos diários entre São Paulo e Santa Cruz de la Sierra a partir de 3 de agosto. Já a partir de 1º de outubro serão retomados os voos diretos de Guarulhos para Cochabamba. O sistema de reservas da empresa não indica a retomada do trajeto direto entre São Paulo e La Paz.

British Airways:

O sistema de reservas no site da companhia indica que os voos diários de Londres para São Paulo serão retomados a partir de 1º de agosto; para o Rio de Janeiro, a partir de 1º de setembro.

Cabo Verde Airlines:

A empresa aérea do país africano, que operava no Brasil voos para Fortaleza, Recife e Porto Alegre, suspendeu todas as suas operações. Ela retomará a rota entre Ilha do Sal e Recife a partir de 1º de outubro. O sistema de reservas não indica ainda quando serão operados novamente os trajetos para Fortaleza e Porto Alegre.

Copa Airlines:

A empresa panamenha retoma gradualmente seus voos para o Brasil a partir de 7 de agosto. Veja os detalhes:

Cidade do Panamá x São Paulo: a partir de 7 de agosto (duas frequências semanais); diário a partir de 7 de setembro;

Cidade do Panamá x Rio de Janeiro: a partir de 14 de agosto (uma frequência semanal); diário a partir de 7 de setembro;

Cidade do Panamá x Brasília: a partir de 4 de setembro (duas frequências semanais);

Cidade do Panamá x Belo Horizonte: a partir de 18 de setembro (duas frequências semanais);

Cidade do Panamá x Porto Alegre: a partir de 2 de novembro (duas frequências semanais);

Cidade do Panamá x Recife: a partir de 20 de novembro (duas frequências semanais); e

Cidade do Panamá x Salvador: a partir de 21 de novembro (duas frequências semanais).

Delta Airlines:

A empresa americana retoma a rota entre Atlanta e São Paulo a partir de 3 de agosto; e de Nova York para São Paulo a partir de 30 de setembro. O sistema de reservas não indica a retomada do trajeto entre Atlanta e Rio de Janeiro.

Edelweiss:

A empresa aérea retoma seus voos entre Zurique e Rio de Janeiro a partir de 1º de outubro (uma vez por semana). A partir de 27 de outubro, ela acrescenta mais uma frequência semanal.

Emirates:

A companhia retoma o trajeto entre Dubai e São Paulo a partir de 1º de agosto; e para o Rio de Janeiro, a partir de 1º de setembro.

Ethiopian Airlines:

A companhia nacional da Etiópia conecta São Paulo e Adis Abeba (e demais conexões) quatro vezes por semana.

FlyBondi:

No final de abril, o governo da Argentina suspendeu todos os voos comerciais, tanto nacionais quanto internacionais, até 1º de setembro devido à pandemia. Somente os voos especiais de repatriação ou de carga podem circular no país durante o período. Por isso, a empresa retoma seus voos a partir do início de setembro.

Iberia:

A companhia espanhola retoma seus voos diretos de Madri para São Paulo a partir de 1º de agosto, e para o Rio de Janeiro a partir de 1º de setembro.

JetSmart:

A empresa de baixo custo chilena opera voos de Santiago do Chile para Foz do Iguaçu e Salvador a partir de 25 de outubro (duas frequências semanais em cada rota). O trajeto para São Paulo será operado a partir de 16 de novembro.

KLM:

A companhia holandesa retoma suas operações diárias entre Amsterdã e São Paulo a partir de 13 de julho e opera quatro voos semanais entre a capital holandesa e o Rio de Janeiro. Não há previsão ainda para a retomada das operações em Fortaleza.

Lufthansa:

Atualmente, a empresa alemã opera cinco vezes por semana entre São Paulo e Frankfurt. A partir de 28 de julho serão retomados seus voos diários. Não há previsão para o retorno das operações de Frankfurt para Rio de Janeiro, e entre Munique e São Paulo.

Norwegian:

O site da companhia low cost, que opera o trajeto entre Londres e Rio de Janeiro, mostra voos disponíveis a partir de 26 de outubro (três vezes por semana).

Qatar Airways:

A empresa opera três frequências semanais entre São Paulo e Doha (e conexões para outros destinos internacionais) em junho. A companhia pretende adicionar em julho uma frequência semanal à rota e retomar seus voos diários a partir de 31 de agosto. Todas as operações serão realizadas pelo A350-1000.

Royal Air Maroc:

O sistema de reservas da companhia marroquina indica a retomada dos voos de Casablanca para São Paulo a partir de 2 de setembro; e para o Rio de Janeiro a partir de 4 de setembro.

Sky:

A empresa de baixo custo chilena adiou o retorno das operações entre Santiago do Chile para São Paulo, Rio de Janeiro, Florianópolis e Salvador.

South African Airways (SAA):

Antes do início da pandemia de coronavírus, a empresa sul-africana já havia anunciado o cancelamento de sua rota entre São Paulo e Johanesburgo.

Surinam Airlines:

A empresa aérea do Suriname retoma seus voos regulares entre Panamaribo e Belém a partir de 19 de julho.

Swiss:

A empresa suíça opera a rota entre Zurique e São Paulo três vezes por semana. A partir do início de setembro serão 5 frequências semanais.

TAAG – Linhas Aéreas de Angola:

A companhia aérea angolana retoma seus voos diretos entre Luanda e São Paulo a partir de 1º de julho. São três frequências semanais.

TAP:

A companhia aérea portuguesa opera voos de Lisboa para São Paulo (três vezes por semana), Rio de Janeiro (uma frequência semanal), Recife (duas vezes por semana) e Fortaleza (uma frequência semanal). O sistema de reservas da empresa não indica ainda a retomada das operações para Belo Horizonte, Brasília, Salvador, Belém e Natal, além da estreia do voo para Maceió.

Turkish Airlines:

A empresa aérea retoma seus voos entre Istambul e São Paulo a partir de 2 de setembro.

United:

A companhia americana continua voando diariamente a rota entre São Paulo e Houston. As seguintes rotas voltam a partir de 03 de agosto com voos diários: Houston – Rio de Janeiro e, ainda, para São Paulo; e Newark – São Paulo. Em 24 de outubro é a vez das seguintes rotas serem incluídas na malha da empresa, com voos diários: Chicago e Washington para São Paulo.

Virgin Airways:

A empresa aérea britânica, que havia adiado o lançamento da rota entre Londres e São Paulo de 29 de março para 5 de outubro, decidiu não começar a realizar o trajeto entre a capital inglesa e o aeroporto internacional de Guarulhos.

Esta entrada foi publicada em aeronave, Aeroporto e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *