Turismo com fins educacionais – Brasileiros investem US$ 25 milhões em viagens culturais ou esportivos

Os brasileiros gastaram US$ 25,1 milhões em viagens com fins educacionais, culturais ou esportivos, de acordo com levantamento do Banco Central.

De acordo com o BC, essas despesas oscilam bastante ao longo do tempo. Em janeiro do ano passado, foram gastos US$ 1,9 milhão para o mesmo fim.

Segundo o levantamento, os gastos no primeiro mês deste ano são mais da metade das despesas registradas em todo o ano passado, que ficaram em US$ 43,1 milhões.

Apesar da alta nos gastos de viagens com fins educacionais, culturais ou esportivos, as despesas com esses objetivos passam longe das de turismo e cartão de crédito. De acordo com o BC, em janeiro, os gastos de brasileiros no exterior com turismo chegaram a US$ 726 milhões e as despesas no cartão de crédito ficaram em US$ 1,206 bilhão.

No total, os brasileiros em viagem ao exterior gastaram US$ 1,996 bilhão em janeiro, o segundo maior resultado registrado pelo Banco Central. Nesse total, estão incluídas as viagens com fins educacionais, culturais e esportivos de funcionários do governo, a negócios, por motivos de saúde, turismo e gastos com cartão de crédito.

Exterior mais acessível

Segundo a presidente da Belta (Associação Brasileira de Operadores de Viagens Educacionais e Culturais), Maura Leão, o setor está em expansão, por conta da economia estável e do dólar em nível mais acessível. Mesmo com as mudanças na cotação da moeda, as oscilações não chegam a gerar instabilidade para o mercado de viagens educacionais e culturais.

De acordo com Mara, 2011 foi favorável para que os brasileiros planejassem com antecedência os gastos no início de 2012. Para este ano, a expectativa é de continuidade da expansão do mercado, pois ela acredita que o crescimento da renda dos brasileiros estimula as viagens ao exterior para fazer intercâmbio, cursos e outras atividades educacionais e culturais. “Deixou de ser uma oportunidade só para poucos e ficou acessível para mais pessoas”, afirma.

Classes sociais

Segundo a Agência Brasil, uma pesquisa da Belta com 71 empresas do setor revelou que a classe C já correspondia à metade da movimentação de negócios para 10% das agências, em 2010 e 2011. Das empresas entrevistadas, 54 atenderam a esse público nesse período.

A Belta ressalta que, em 2010, 167.432 estudantes brasileiros fizeram algum tipo de curso no exterior. Em 2011, a estimativa é de cerca de 215 mil e, para este ano, a previsão é de 282 mil.

Cursos e destinos

O estudo também revelou que os cursos de idioma são os principais produtos vendidos, representando mais de 60% das vendas. Os programas de ensino médio no exterior (high school) aparecem em segundo lugar, com 22,5%. Em terceiro, estão os cursos de férias, com 11%.

De acordo com a Associação, entre os três países mais procurados, 90% das agências citaram o Canadá como primeira opção. No segundo lugar vêm os Estados Unidos, com quase 70% das respostas. O Reino Unido aparece como terceiro destino mais procurado em cerca de 60% das agências.

Esta entrada foi publicada em Padrão e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *