Quais são as vantagens do seguro-viagem: Investir em um seguro-viagem pode evitar dor de cabeça durante as férias

Para evitar dor de cabeça e gastos desnecessários em casos de incidentes, vale a pena investir um dinheiro a mais para se proteger

Na hora de viajar, além de comprar passagens, reservar hotel e pensar em um roteiro, a compra de um seguro-viagem vem se tornando também um item indispensável para os turistas.

A razão é simples. Para evitar dor de cabeça e gastos desnecessários em casos de incidentes, vale a pena investir um dinheiro a mais para se proteger.

A gerente de produtos da empresa Europ Assistance, Lilian Ferraz, falou com o Portal da Band e respondeu as principais dúvidas sobre o seguro-viagem.

Por que muitos países da Europa e de outros continentes exigem que os turistas estejam em posse de um seguro viagem quando saem de férias?

A exigência do seguro viagem objetiva garantir que o turista tenha condições financeiras de se responsabilizar por eventuais imprevistos com sua saúde que possam ocorrer ao longo de uma estadia no exterior, evitando assim possíveis custos e consequentes “perdas” ao serviço de saúde pública ou privada do país.

Normalmente as coberturas exigidas são assistência médica/hospitalar e repatriação sanitária, porém podem variar em relação ao valor financeiro de cobertura exigido para estes serviços.

No caso da Europa, o tratado de Schengen, que abrange boa parte dos países da União Européia, exige que todos os turistas tenham contratado assistência viagem com cobertura mínima de 30 mil euros de assistência médica/hospitalar. Outro país que também faz essa exigência é Cuba.

Há algum tempo, as assistências viagens ofereciam apenas a cobertura de acidentes, extravios de bagagem e outros serviços básicos. Atualmente esta assistência tem oferecido pacotes mais personalizados. Esse mercado está crescendo?

O mercado de seguros de viagem cresceu 42% (de acordo com a Fenaprevi – Federação Nacional de Previdência Privada e Vida) no primeiro semestre de 2011. Esse crescimento tem sido impulsionado pelo aumento do poder aquisitivo dos brasileiros, especialmente da classe C.

Diante do mercado em expansão, as empresas têm apostado em pacotes personalizados não só para atender as demandas de públicos específicos, mas como forma de diferenciação.

O que estes novos pacotes de serviços têm oferecido aos clientes que aderem à assistência viagem?

A personalização dos pacotes oferecem ainda mais segurança e comodidade ao viajante, pois é possível contratar o serviço de acordo com o motivo de sua viagem (turismo ou negócio) e as atividades a serem realizadas no destino.

Um bom exemplo é o produto de assistência viagem voltado a executivos que a Europ Assistance oferece. Trata-se de um pacote que atende as necessidades específicas de uma empresa ou empresário, com o serviço de substituição de um executivo em viagem que tenha adoecido ou precise ter o seu retorno antecipado, ou ainda, com o envio de documentos urgentes.

Esse produto oferece ainda o serviço de Help Desk remoto que pode ser acionado 24 horas de qualquer lugar do mundo. Ou seja, a conveniência de ter a segurança de que o objetivo da viagem será cumprido, é o que a empresa e o empresário podem ter a mais dos serviços tradicionais, por exemplo.

Quais são os riscos de se viajar sem o seguro viagem?

Diria que existem três grandes benefícios de se viajar com seguro viagem que impactam diretamente na tranquilidade de qualquer viajante:

a) A garantia de coberturas financeiras em caso de uma eventualidade – médica, jurídica, entre outras.

b) Ter uma empresa representando, orientando e mediando o viajante diante de uma necessidade, como por exemplo, gerenciar as tramites para um tratamento hospitalar ou a reserva de um restaurante.

c) Em caso de necessidade, ter a possibilidade de entrar em contato com uma central e se comunicar em língua nativa para orientá-lo e auxiliá-lo em território internacional.

Quais são as coberturas básicas de um seguro-viagem?

Primeiramente acho que é interessante diferenciar um seguro viagem de uma assistência viagem. No caso do seguro viagem, a cobertura é por evento, ou seja, o viajante (segurado) tem direito ao valor integral do plano em cada situação coberta pelo plano contratado. Já na assistência, há um limite que é descontado por circunstância. Vamos dar um exemplo pratico para facilitar o entendimento.

A bagagem de um passageiro desapareceu após a chegada no destino. A assistência viagem é acionada a fim de auxiliar o cliente na tratativa junto à empresa de transporte para localizar os bens do passageiro, sem custos adicionais ao viajante. Caso esta não seja encontrada, o seguro viagem indenizará o usuário pela perda.

Sendo assim, o seguro viagem normalmente abrange: garante ao segurado/ beneficiário indenização, em casos de morte acidental, cancelamento de viagem, perda de bagagem, entre outros.

Quais os principais pontos que o cliente deve ter em mente para não gastar muito com essa despesa, mas ainda assim viajar protegido?

Eu começaria dizendo que seguro viagem não é uma despesa, mas sim um investimento que visa garantir ao viajante a cobertura de gastos imprevistos e de soma incalculável com acidentes e emergências durante sua viagem.

No entanto, algumas variáveis devem sempre ser consideradas pelo viajante no ato da compra, como avaliar qual o motivo da viagem e quais atividades serão realizadas no destino, para assim, garantir que o produto adquirido está atendendo as necessidades do usuário (nem menos nem mais).

Se estou viajando apenas para realizar turismo simples e o produto que estiver sendo adquirido oferecer cobertura para esportes de risco, o usuário deve buscar um produto intermediário e evitar preços maiores.

Para viajantes da 3ª idade, outro ponto muito importante é sempre verificar se o seguro ou assistência adquirida apresenta limite de idade para direito às coberturas.

Esta entrada foi publicada em Padrão. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *