Naufrágio na costa italiana – Turismo de Cruzeiro virou turismo de aventura na ilha de Giglio mar Mediterrâneo

Homem sul-coreano foi encontrado em boas condições de saúde dentro do Costa Concordia

Dona do navio naufragado diz que capitão fez mudança de percurso não autorizada

O presidente da Costa Cruzeiros, proprietária do navio que naufragou na noite de sexta-feira próximo à ilha de Giglio, na Toscana, Itália, disse nesta segunda-feira que o capitão do Costa Concordia fez um desvio de percurso “não autorizado, sem aprovação”.

Em entrevista coletiva concedida em Gênova, Pier Luigi Foschi voltou a falar em “erro humano”.

“A companhia dará ao capitão (Francesco Schettino) toda a assistência necessária, mas temos que admitir os fatos e não podemos negar o erro humano”, afirmou.

“A rota estava correta. O fato de que (o navio) saiu de seu curso se deve unicamente a uma manobra do comandante que não tinha sido aprovada, (não foi) autorizada e (era) desconhecida pela Costa (Cruzeiros)”, acrescentou.

Foschi disse ainda que o navio Costa Concordia passa por inspeções periódicas e tinha passado por uma grande inspeção em novembro de 2011.

As equipes de resgate já encontraram os corpos de seis vítimas do naufrágio do navio de cruzeiro. Outras 15 pessoas estão desaparecidas.

As operações de resgate foram suspensas na manhã desta segunda-feira, pois o navio, que tombou lateralmente, se afastou das rochas em que estava apoiado devido ao mau tempo na região.

Nesta segunda-feira, o Itamaraty atualizou o número de brasileiros presentes no navio de 53 para 57 pessoas, sendo seis tripulantes do Costa Concordia.

Metros da costa

O capitão do navio, Francesco Schettino, é suspeito de homicídio doloso (sem a intenção de matar) e nega todas as acusações. Ele está sendo questionado pela polícia e alega que o sistema de navegação não mostrava obstáculos no local do acidente.

Schettino negou as acusações de que teria deixado a embarcação sem prestar auxílio aos passageiros e afirmou que só deixou o navio após terminar o processo de retirada dos ocupantes.

O capitão afirmou ainda que, de acordo com as informações de que tinha no momento do acidente, as rochas que provocaram a ruptura do casco do navio não foram detectadas pelo sistema de navegação automática da embarcação.

Anteriormente, a Costa Cruzeiros já havia afirmado que Schettino teria conduzido a embarcação perto demais da costa, além de não seguir os procedimentos de segurança determinados pela empresa.

O navio de cruzeiro – que levava mais de 4.200 pessoas – está a metros de distância da ilha de Giglio.

Lua de mel

No domingo, os mergulhadores que vasculhavam a embarcação encontraram dois corpos, de dois homens. Três corpos já haviam sido encontrados no sábado – de dois passageiros franceses e um tripulante peruano

Outras três pessoas haviam sido encontradas dentro do navio com vida: um casal sul-coreano em lua de mel e um tripulante, que sofreu ferimentos na perna.

A maioria dos ocupantes do navio era de italianos, alemães e franceses.

A embarcação havia deixado o porto de Civitavecchia na manhã de sexta-feira para um cruzeiro de uma semana pelo Mediterrâneo.

Esta entrada foi publicada em Turismo de Aventura, Turismo de Cruzeiro e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *